sexta-feira, 27 de abril de 2007

As chuvas vêm em Nissan

Após um esbath bem-sucedido, Ketar acorda ainda exausta e volta para Esmirna, para seu templo. Desta vez, ela é seguida bem de perto pelas duas aprendizes de sacerdotisas, agora aptas a servirem aos Deuses. Seu padrasto, Yussef, resolveu seguir viajem com Lapidatus até Jerusalém, pois estava havendo uma grande movimentação de pessoas em torno de um novo profeta e cada um desses homens importantes de sua vida tinham seus motivos para conhecer este novo profeta. Quando estava no Egito com sua mãe, Ketar conheceu vários profetas e iluminados, a maioria falava no fim dos tempos e na falta de vergonha dos ritos antigos, mas muitos secretamente freqüentavam a cama de sua mãe.
Nos próximos nove meses muita coisa irá mudar na vida de Ketar e ao pensar em sua mãe, ela sente a certeza de que em breve terá um novo irmão, uma vida marcada para trazer alegria e satisfação ao seu padrasto, o faraó Akenat II. Na estrada de volta a Esmirna, ela sente a mudança dentro dela e em sua volta, naquele esbath ela comemorava 13 anos e a providencial ajuda de Lapidatus a deu uma herdeira antes que ficasse velha demais. Suas novas companhias, Miriam e Magdalena, terão que assumir o seu lugar no templo de Ishtar, ela teria que deixar de brincar com Roe e com os serviçais do templo.
Olhando a paisagem árida, ela decidiu então a suspender as admissões do templo, teria que enviar muitas cartas e dispensar os que estavam a caminho. Seguindo logo atrás, Roe estava com a cara mais amarada que o de costume, ele nutrira a esperança de ter o privilégio de dar a Ketar um herdeiro e silenciosamente discutia com os Deuses porque logo um perfeito estranho, um centurião romano. Em alguns dias, a importância dele na vida de Ketar e na do templo diminuirão, o fazendo reconsiderar o convite de seu centurião quando ele deixara a legião romana de ficar morando em alguma vila, em alguma colônia romana.
Pela metade do caminho, Ketar sente um mal-estar, que não devia ser de sua gravidez, havia duas presenças em algum lugar mais ao norte que convinha evitar cruzar o caminho. Ela olha na direção e consegue perceber um pouco quem são estas pessoas que são uma ameaça à sua vida. Um é mais velho, baixo e corpulento. O outro é mais jovem, alto e magro. Um conhece muitos povos e teve contato com muitos sábios. O outro mal conhece o próprio povo e sequer compreendeu os poucos pergaminhos que lera. Um admira as mulheres e conhece os Mistérios Antigos. O outro é claramente misógino e mal conhece o mistério daquele que chamam de Deus Vivo. Um é o acadêmico. O outro, o fundamentalista. Por alguns instantes, Ketar ficou com vontade de ataca-los, mandar uma tempestade de areia, chacais ou simplesmente mata-los. Nada a impedia e poder tinha de sobra. Isto certamente daria algo para seus colegas pensarem, mas Ketar sacudiu os ombros, sorriu e cheia de felicidade deu as boas vindas ao período de chuvas, que começavam a cair sobre o grupo.
Começava o mês de Nissan, a paisagem árida ganharia mais vida, as pessoas seriam mais alegres e cantariam novamente o nome do antigo Deus esquecido, o Deus Chifrudo da Fertilidade, o Senhor dos Campos que foi celebrado entre os cedros da Filistéia, o Senhor dos Grãos que era silenciosamente reverenciado pelos Hebreus nas florestas da Cananéia.
A chuva parou quando o grupo chegou em Esmirna, em frente ao templo que, apesar de ser fim de tarde, ainda tinha uma fila grande de pretendentes ao serviço do templo. Os serviçais do templo ficaram aliviados com o retorno de sua sacerdotisa, tinham muitos pedidos de avaliação e pedidos de bênçãos que somente a sacerdotisa poderia atender. Ketar desceu de seu camelo e energicamente dispersou o grupo.
- Xô, xô! Pelos Deuses, procurem templos em suas cidades! Cuidem de sua família! Não vêem que os tempos estão mudando?
As pessoas vão saindo sem falar nada, mas contrariadas. Ketar se dirige ao seu quarto e Roe vem logo atrás.
- Eu sei o quanto tu querias ter sido o pai de minha herdeira. Oportunidade não faltou, mas estas coisas eu não escolho. Escreva cartas a todos os templos e escolas que ensinam os Mistérios Antigos que nosso templo está suspendendo a admissão ou avaliação de pretendentes ao serviço do templo.
- Imediatamente, Santa Senhora. Eu queria entender o que virá a seguir. Vossa Santidade disse que os tempos estão mudando, mas eu não vejo tão bem quanto Vossa Santidade.
- Estes novos profetas, principalmente os vindos da Judéia. Há uma força nova, algum Deus que tem permissão para agir sozinho. Os Deuses Antigos estão sumindo, os templos estão sendo fechados sem que nenhuma catástrofe ocorra, muitas de minhas irmãs de ministério estão sendo perseguidas, presas e executadas. Isto tem ligação com a profecia que eu disse no lago da Galiléia e está ligado àquele lugar. Não é coincidência que meu padrasto e o centurião que foi escolhido para ser quem me impregnaria estão indo para lá, alegres e curiosos para ouvir o discurso deles. Oh, meu bravo e querido Roe. Haverá tempo que até tu me voltará as costas.
- Por minha vida, isto nunca acontecerá.
- Que seja. O dia que me renegares, morrerás.

Nenhum comentário: