terça-feira, 5 de junho de 2007

Símbolos iguais, conteúdo diferente.

Andros e Scire estavam em uma vila próxima de Nicius, quando depararam com um acampamento de viajantes prestes a realizar suas cerimônias. Ao se aproximarem, foram convidados a permanecer, comer e descansar por um velho cigano que parecia ser o líder do grupo.
- Jovem mestre, percebeu que, no alto das carroças, há uma pequena estátua ou imagem pintada?
- Sim, mas desta distância não consigo ver o que simbolizam.
- O jovem mestre gostaria de conhecer nossa Deusa Baba Iaga?
- Sim, pois ela me parece familiar.
O velho cigano, todo orgulhoso, levou seus visitantes até sua carroça e mostrou a grande estátua da Deusa Baba Iaga que ele tinha. A forma, cor e adereços usados para simbolizar a Deusa eram muito parecidas com as de Ishtar, mas algumas pinturas e estátuas a faziam mais parecida com Ártemis. Sentindo que aquele grupo corria um grande risco, evocando a Deusas tão diferentes, Andros resolveu fazer um comentário crítico.
- Vós pretendeis evocar Baba Iaga, Ishtar ou Ártemis?
- Jovem mestre, os nomes são diferentes, mas são as mesmas Deusas. Assim como eu ou tu, para cada pessoa que nos conhece, nós temos diferentes faces, nomes, atributos.
- Verdade, mas a despeito dos diferentes atributos, tu não podes ser confundido com outro que tenha os mesmos atributos. Os atributos que tu tens são como os símbolos usados pelos Deuses e Deusas, servem para nos mostrar a aparência superficial, não o conteúdo.
- Esta é a forma como muitos grupos adoram aos Deuses Antigos, não há mais esta velha e radical distinção. Todos os Deuses são o Deus e todas as Deusas são a Deusa.
- Não é porque muitos grupos fazem isso que significa que está certo. Nossos ancestrais demoraram gerações para conhecer e ter uma relação íntima com os Deuses Antigos. Quem olha apenas aos adornos e esquece a identidade, ofende aos Deuses Antigos.
- Nós iríamos recebê-los em nosso círculo, mas vós sois muito tradicionalistas e intolerantes. Fiquem com vosso fundamentalismo petulante, pois não reconhecemos vossa autoridade e nosso círculo é independente e atualizado.
Andros e Scire agradecem o descanso e a comida e partem, seguindo para Nicius.
- Acha que eu agi errado?
- De forma alguma! Mas infelizmente encontraremos muitos destes grupos formados por curiosos, desinformados e vigaristas.
Ao chegarem em Nicius, puderam visitar e conversar com os sacerdotes e sacerdotisas de Demeter. Curioso, Andros resolveu perguntar sobre o grupo que havia conhecido.
- Sábios Anciãos, vós conheceis um grupo que se reúne aqui perto, que evoca uma Deusa chamada Baba Iaga?
- Eu ouvi falar dessa gente. Eles são liderados por um homem com veneno na alma, são gente resistente e agressiva a qualquer tipo de religião estruturada, ou tradição, ou escola de mistérios.
- Como pode ter cultos e seitas assim que ofendem aos Deuses Antigos?
- Tudo que posso dizer é que as cerimônias feitas por este grupo não passam de jogos joviais, que se assemelham aos rituais e usam algo da liturgia conhecida, mas nunca evocaram qualquer Deus ou Deusa. Que os ancestrais tenham misericórdia deles quando os Deuses Antigos se cansarem dessa macaquice!
Andros e Scire, depois que saíram do templo, ouviram um mensageiro que passou com a notícia de que o grupo de viajantes sumiram, depois de um facho de luz passar pelo local do acampamento, deixando apenas os utensílios.

Nenhum comentário: