quarta-feira, 18 de julho de 2007

Trinta moedas

Zacharias voltou na semana seguinte até os locais onde os Nazirenos se reuniam, mas sem a companhia de Saulo, para tentar fazer uma reconciliação entre eles e a Ordem de Melquisedeck. Faltavam poucas semanas para a Pessach e para que Anás cumprisse com suas ameaças, mas nas atuais circunstancias, Zacharias não tinha muito a perder, sentindo que sua cabeça estava no alvo de Herodes e Pilatos.
Zacharias conseguiu encontrar Yheshua, fazendo sua costumeira pregação escatológica a uma platéia, estando ele convenientemente postado sobre uma colina, para dar a impressão de que ele era o personagem Yeshu, não Yheshua nem Yoachim. Com muita dificuldade, depois de driblar os apóstolos, Zacharias falou com Yheshua.
- Jovem mestre, eu gostaria de pedir um dia para falar com todos os vossos seguidores, junto com Yoachim.
- Os fariseus não conhecerão o Reino de Deus.
- Eu falo sério. O Sinédrio, Herodes e Pilatos estão à caça, tu e Yoachim são o alvo.
- O Filho do Homem deve se sacrificar para salvar a todos do pecado e da morte.
- O apetite de Roma não cessará até que todos os teus pereçam.
- O mundo nos odeia porque jaz no maligno. Nós não pertencemos ao mundo, mas a Deus. Quem quer a salvação, que pegue tua cruz e me siga.
Os apóstolos perceberam as reais intenções de Zacharias e o afastaram de Yheshua. Entre eles, havia um em particular que encarou furiosamente a Zacharias, que parecia ser conhecido de outro lugar. Certamente, era outro informante, ou da Ordem de Melquisedeck, ou de Herodes, ou de Pilatos, infiltrado no grupo, apenas esperando a ordem para entregar os líderes.
As semanas passaram sem que Zacharias conseguisse falar com Yoachim, certamente ele o ouviria, teria mais bom senso e faria um acordo. Na véspera do Pessach, Zacharias sabia que os Nazirenos fariam uma grande celebração, onde ele poderia tentar entrar disfarçado para falar com Yoachim. Mesmo sabendo que seu pescoço estava sendo procurado por Anás, Herodes e Pilatos, ele foi até o monte das oliveiras, onde o grupo certamente passaria. Ao se aproximar, foi igualmente cercado por uma coorte de legionários, que o levou preso junto com o grupo.
- Nosso mestre foi traído por um de nós, como ele havia profetizado.
- Nosso senhor disse que teria de ser sacrificado para o perdão de nossos pecados.
Zacharias foi levado até a sala de interrogatórios, onde Saulo o aguardava.
- Tu acreditaste mesmo que conseguiria nos enganar? Eu percebi logo que, para saber tanto dos Nazirenos é que tu era um deles, ou que tu era da ordem de Melquisedeck.
- Então, sabes de tudo.
- Sim e teu couro está valendo menos que as trinta moedas de prata pagas aos Inspetores por cada templo das rameiras fechado.
- O que fará comigo?
- Tu vale mais vivo, para acabar com a Ordem de Melquisedeck. Com Yoachim preso, os Nazirenos se dispersarão ou terão o mesmo destino dele amanhã, que é a cruz.
- Agora tu estás sendo ingênuo. Achas mesmo que uma organização tão grande e poderosa como a Ordem de Melquisedeck não tem meios para me libertar ou me silenciar?
- Depois que acabar contigo, não terás mais segredos, nem serás reconhecido por tua mãe.

Nenhum comentário: