terça-feira, 14 de agosto de 2007

A sucessão

Uma das maiores lições que toda autoridade pública deve conhecer é a de que a estrutura de um Estado tem vida própria. Tibério César estava moribundo e via de seu leito de morte que Roma continuava a caminhar sozinha. Ao mesmo tempo em que seus cônsules buscavam curandeiros para amenizar seu sofrimento, corria solta uma disputa entre as damas da alta nobreza pela Coroa de Roma.
Dentro das cidades romanas, os moradores continuavam com suas rotinas domésticas sem notar que não é mais Tibério César seu Imperador, mas um consórcio formado por cônsules e senadores. Nas partes mais periféricas e fronteiriças do império Romano, os comandantes das fortificações sentem o vácuo do poder, de forma que as atividades das coortes romanas se restringem em fazer patrulhas, enquanto aguardam as ordens do novo César.
Magdala soube aproveitar dos privilegio dados a ela pelo César moribundo para aumentar sua influencia nesse momento de instabilidade e permeabilidade do Estado Romano, não somente para dar conselhos aos cônsules, mas também para orientar as damas.
Em uma dessas ocasiões, Agripina veio consulta-la a respeito das chances que seu filho teria para se tornar César. Como os reis antigos, os Césares tinham várias esposas, cortesãs e mulheres, cada qual tendo um ou mais filhos de César e todas queriam seu direito de herança.
Com Calígula não era diferente. Sua mãe era ora esposa, ora cortesã de Tibério César, conforme o humor dele. Agripina estava disposta a tudo para tornar seu filho o novo Imperador de Roma.
Magdala sabia, pelos seus contatos com o consórcio de cônsules e senadores, que Calígula seria proclamado César em breve ao Povo Romano, mas ela não teve escrúpulos em tripudiar da ansiedade e agonia de Agripina.
- Vosso filho será César, se tu e teu filho concordarem em serem meus iniciados. Após a proclamação, vós concedereis um indulto a todos os cultos existentes no Império Romano.
Esse recurso visava mais obter influencia sobre Agripina do que sobre Calígula, um jovem inseguro e dominado pela mãe. Ele seria facilmente manipulado por Magdala sem que sua mãe ou a corte de Roma percebessem.
Como o combinado, Agripina e Calígula foram iniciados por Magdala e este foi proclamado César no dia seguinte. O primeiro ato de Calígula foi o de decretar anistia e perdão. Os templos voltaram a funcionar sem interferência, sacerdotes proscritos puderam voltar a Roma.
Magdala iniciou sua peregrinação entre as comunidades dos Crestanos, para reivindicar sua posição como Alta Sacerdotisa. Em cada visita, oferecia aos líderes riquezas e posições dentro da estrutura do Estado Romano.
A oferta é sedutora. Magdala conheceu, formou e iniciou muitos dos sacerdotes dos Crestanos, muitos devem a ela a vida. Magdala oferecia mais do que a saída da clandestinidade das catacumbas, mas o inicio da construção de templos Crestanos e um caminho mais largo, não somente para a conquista de mais riquezas, mas também a conquista de mais almas.

Nenhum comentário: