quinta-feira, 6 de setembro de 2007

O terror estende seus ramos

Magdala trabalha incansavelmente com uma equipe de escribas confiáveis para traduzir os muitos manuscritos vindos das comunidades de Crestanos, para enfim consolidar a Boa Nova como uma obra consistente e hegemônica. Ela não tem mais celebrado nem os ritos antigos, nem participa das celebrações da Igreja. Ela se concentra no projeto de construir um alicerce sólido para que a Igreja cresça, mas teve que fazer uma pausa para atender a um oficial do Império.
- Vossa Santidade, o Augusto Cláudio César deseja vos consultar imediatamente.
Sem demorar, Magdala segue o oficial até o palácio imperial. Ela sabe que César não convida, manda. A última vez que ela atendeu à solicitação de César, esta veio de Calígula, que a recebeu ao lado de Druzila, sua bela prima e Agripina, sua escandalizada mãe.
- Vossa Santidade, não é verdade que Deus renasceu como homem?
- Sim, Excelso César. Não apenas nós, mas muitos credos acreditam que Deus renasceu como homem, em épocas de crise de um povo, por intermédio de uma mulher consagrada.
- Nós somos Deus, não somos, Vossa Santidade?
- Sim, Augusto Divino César. Vós sois Deus como Yeshu Cresto, Filho de Deus.
- Então para o nosso bem e o de Roma, convém que nós renasçamos por intermédio de uma mulher consagrada de nossa estirpe.
- Meu Imperador, eu vos peço que não leve Druzila a vosso leito.
- Nós não conhecemos mulher alguma mais indicada. Nós somos Deus e Druzila, por ser de nossa família, é uma mulher consagrada.
Calígula levou Druzila ao leito, aplicou uma multa simbólica à Igreja por adorar Yeshu como igual a César, mas mandou exilar e executar Agripina.
Intrigas, exílios, perseguições e mortes eram coisas comuns na corte de Roma. Agripina provou desse remédio e Calígula herdou dela todo o rancor e ódio contra Roma e sua corte, que Calígula sabia demonstrar em suas vítimas.
Magdala foi convidada a participar da sucessão, quando o núcleo do poder não suportou mais Calígula. Os senadores e cônsules se valeram de sua influência para tentar controlar os comandantes da Guarda Pretoriana.
A Guarda Pretoriana sentiu o gosto do poder na sucessão de Tibério a Calígula e não estavam mais dispostos a aceitar uma regência provisória comandada por senadores e cônsules.
Com a ajuda de Magdala, houve o consenso de fazer Cláudio César e este soube manter o indulto de Calígula, além de conceder fundos para as missões da Igreja. Em troca, Magdala o ajudou a se unir com Messalina, apesar da resistência de sua família e da nobreza romana.
Magdala entrou no escritório particular de Cláudio César, que a recebeu ao lado de Messalina, que transbordava pelos olhos sua enorme e insaciável ambição.
- Vossa Santidade, nós resolvemos conquistar a Bretanha em definitivo. Nós percebemos que as províncias tuteladas não mais podem seguir à revelia do poder do Império. A Judéia e o Egito concordaram em se submeter a nós e seus reis abdicaram em favor de nossos governadores. Infelizmente a Bretanha possui diversos reis, muitos ainda se mantêm rebeldes ao nosso edital. Vossa Santidade nos concederia vossas bênçãos?
- Excelso César, nos seria fácil abençoar-vos para que sejas vitorioso, mas nós ainda não desfrutamos dos privilégios concedidos às religiões reconhecidas oficialmente. Isto tem limitado nossas ações, nós temos constantemente que pedir autorização para as nossas missões, sem falar da extorsiva cobrança de impostos dos praefectus locais, que tem se enriquecido sem dar a devida parte ao Império.
- Pois que se registre. Em nosso retorno vitorioso, nós saberemos recompensar todos os templos que nos deram as bênçãos de seus Deuses. Nós garantimos à vossa Igreja a mesma isenção de impostos dada aos cultos reconhecidos e salvo conduto total para ir e vir por todo o território do Império.
- Vós sois justo, Excelso César. Pelos poderes a mim conferidos, eu vos abençôo e que Deus te conceda a vitória.
Por alguns gestos e palavras, Magdala consegue conquistar algo muito mais valioso do que a Bretanha. Ela sabia que Cláudio seria bem sucedido nessa ilha, onde ainda se dizia existir seguidores da Religião Antiga, mas o triunfo de César não duraria muito. Cláudio demonstra ser um César muito morno, que cumpre burocraticamente seu posto de Imperador. Não demorará muito para que Messalina desse lugar a outra Imperatriz que, para fazer de seu filho o César, envenenaria o atual Imperador.

Nenhum comentário: